10 de junho de 2014 às 14:44

‘A Copa das Copas? Mas para quem?’, questiona colunista do Prime Offer

Foto: Max Haack

*Por Rubens Nogueira/Prime Offer

Em véspera da Copa do Mundo em nosso país surgem diversas perguntas e questionamentos. “Copa do Mundo para quem?”. Essas perguntas acredito que serão respondidas pelos estudiosos no pós-copa; hoje só o que temos são indagações, incertezas e previsões.

No panorama nacional vimos investimentos em infraestrutura e uma campanha federal movida por realizações e acusações. Na esfera estadual o mesmo panorama de realizações e acusações “Quem é o pai de quê”. Já na esfera municipal, nas capitais que sediam a Copa, observamos investimentos federais, estaduais e municipais e todos querendo ser o pai da criança bonita e saudável, com objetivo de apoiar seu representante nas outras esferas “estaduais e federais”.

Já nós, simples mortais, observamos de camarote o cotidiano de um panorama conturbado e ao mesmo tempo modificado por todas as esferas. No findar de tudo isso nossas escolhas é que determinarão o bom ou ruim andamento do nosso cotidiano.

Em uma conversa com um grupo de amigos, todos cheios de razão, um deles observando todos veementes falando, concluiu: nossa democracia é uma criança se pensarmos no continente europeu ou até na América do Norte, na forma de sua colonização reafirmo que somos infantis ao ponto de pensarmos que essas macro mudanças não afetariam todas as esferas. Temos muito a apreender e o tempo nos fará um melhor país, mais justo em sua essência de democracia, tendo leis aplicadas com mais justiça para todos.  

Observando ainda o cotidiano, vejo turistas chegando, cidades, estados, Brasil e nossa cultura nos holofotes internacionais. Isso me deixa lisonjeado, pois a ultima vez que fui à Europa, sempre curioso em entender como somos vistos pelos olhos de longe, basicamente eram as mesmas respostas. O que você conhece do meu país? Resposta: Lula, jogador de futebol e samba.

A ignorância cultural perante o nosso país nos prejudica e muito e reflete uma economia turística com percentuais pífios em relação a grandes potencias. Existirão segmentos prejudicados com a Copa e todos seus feriados, mas também muitos outros beneficiados pela mão invisível da economia, os que fazem protestos e os que torcem.

No findar de todo esse panorama acredito que sairemos vitoriosos, com uma visível percepção internacional positiva e aguçada em melhor conhecer um país cheio de riquezas culturais e belezas naturais. Orgulho de ser Brasileiro!!

*Rubens Nogueira é formado em Economia Empresarial, pela Universidade de Salvador (Unifacs), e com MBA em Gestão de Negócios na Faculdade Ruy Barbosa. Atuou como Gerente Financeiro e Diretor de Marketing e Mercado na TV Record Bahia e hoje também atua como Diretor Comercial no portal Bahia Noticias.



Deixe seu Comentário