28 de setembro de 2017 às 13:59

Defesa pede reintegração de posse de fazenda atribuída a Geddel que está ocupada por índios em Itapetinga

A defesa da família de Geddel Vieira Lima pediu em ação na Justiça a reintegração de posse da fazenda ocupada por indígenas na cidade de Itapetinga, sudoeste do estado,desde a madrugada de sábado (23).

A ação foi protocolada na 2ª Vara dos Feitos Relativos às Relações de Consumo, Cíveis, Comerciais de Itapetinga, na terça-feira (26), e está sendo apreciada pelo juiz Mário Neto. Ainda não há decisão. A área tem, ao todo, 643 hectares, o que equivale a 643 campos de futebol.

Segundo o processo, o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB) é listado como um dos autores da ação. O G1 entrou em contato com o advogado Franklin Ferraz, que entrou com a ação, mas foi informado no escritório que ele está em audiência na manhã desta quinta-feira (28).

Situada no Sudoeste da Bahia,fazenda possui 643 hectares, o que equivale a 643 campos de futebol

O delegado Antônio Roberto Gomes da Silva Júnior, que é coordenador da Polícia Civil de Itapetinga, confirmou que a fazenda continua ocupada até esta quinta-feira e que não houve registro de conflitos, apesar de os indígenas estarem armados.

Ainda segundo o delegado Antônio Roberto, o caso foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Federal de Itapetinga. Procurada pelo G1, a delegacia de Itapetinga informou, por sua vez, que a investigação foi enviada para a delegacia da PF em Ilhéus.

A reportagem não conseguiu falar com a Polícia Federal em Ilhéus até esta publicação.

Ocupação

Fazenda foi ocupada por índios da Tribo Ararauã, do município de Pau Brasil

A TV Santa Cruz, afiliada da Rede Bahia, esteve na fazenda e conseguiu conversar com um dos líderes da ocupação. O índio de Ararauã, que é do município de Pau Brasil, disse que o terreno da fazenda já foi usado como cemitério por povos indígenas.

“A gente está lutando para estar no espaço onde tem um cemitério dos nossos antepassados. Essa terra aqui tem o espaço dos nossos antepassados”. Como o local é considerado sagrado, os indígenas pedem demarcação de terra na fazenda.

O delegado Antônio Roberto Gomes da Silva Júnior disse que os depoimentos dos funcionários confirmam que a invasão do terreno foi feita por indíos. “Três funcionários disseram que eles estavam armados e falavam em dialetos, indicando que realmente se tratam de índios”, afirmou.

O delegado destaca que todos os funcionários que estavam na fazenda, e que foram feitos de reféns, foram liberados pouco após a ocupação. Ninguém foi ferido pelos índios.

A Fazenda Esmeralda foi invadida por volta das 2h do sábado por cerca de 25 homens, que estavam armados com espingardas e outras armas longas.

Geddel está preso no complexo da Papuda, em Brasília, desde 8 de setembro. A prisão ocorreu três dias após a polícia ter encontrado R$ 51 milhões em cédulas em um imóvel supostamente utilizado por ele. Antes, ele já cumpria prisão domiciliar em Salvador. O G1 não conseguiu contato com a defesa de Geddel. // G1 Bahia



Deixe seu Comentário