1 de maio de 2018 às 18:16

Prédio de 26 andares em chamas desaba no centro de São Paulo

Prédio ficava na avenida Rio Branco, na região do Largo do Paissandu, e era ocupado por um movimento social de defesa ao direto a moradia (Agência Brasil)

Um prédio de mais de 20 andares desabou na madrugada de hoje (1º) na região central de São Paulo, após incêndioo. O fogo também atingiu um prédio ao lado. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o incêndio teria começado por volta de 1h30. Bombeiros que estão no local informam sobre a morte de uma pessoa e três desaparecidas.

O desabamento do prédio, localizado no Largo do Paissandu, ocorreu por volta da 3h, em consequência das chamas. As causas do incêndio ainda são ignoradas, mas as informações iniciais são de que o fogo começou no 5º andar do prédio.

Alguns prédios próximos foram evacuados e toda área está isolada. Mais de 100 homens de várias unidades do Corpo de Bombeiros estão no local. As informações da Defesa Civil são de que o prédio que desabou era ocupado por várias famílias de pessoas em situação de rua.

Prédios em situação semelhante

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, disse hoje (1º) que a cidade tem atualmente 70 prédios ocupados, em situação similar ao edifício que desabou nesta madrugada após ser atingido por um incêndio. De acordo com ele, a prefeitura chegou a fazer seis reuniões com os moradores do local, alertando-os sobre os riscos.

“Nós temos 70 prédios em situação semelhante a esse. São 200 áreas invadidas na cidade de São Paulo, uma situação preocupante. Mas hoje a preocupação zero da prefeitura de São Paulo é o bom atendimento a essas famílias”, disse.

As reuniões, segundo Covas, foram feitas pela Secretaria de Habitação de fevereiro a abril. “O núcleo de intermediação da Secretaria da Habitação para áreas invadidas fez seis reuniões com eles, alertando desses riscos. A gente tinha uma ação em andamento com o governo federal para receber essa propriedade. A prefeitura não pode ser acusada de se furtar da responsabilidade”, disse.

O prefeito ressaltou ainda que o governo do estado irá fornecer um auxílio-aluguel para os moradores do prédio. Até a liberação dos recursos, os moradores poderão ficar em albergues da prefeitura. A orientação, segundo Covas, é que as famílias permaneçam juntas. Na manhã de hoje, a prefeitura verificou que 92 famílias – ou 248 pessoas – estavam morando no prédio.

Segundo o Corpo de Bombeiros, na última vistoria foi identificada uma série de problemas no edifício em relação ao acúmulo de lixo, a materiais combustíveis, e ao impedimento de rota de fuga. “Isso foi relatado [às autoridades], o Corpo de Bombeiros não tem o poder de vir aqui e fechar o prédio”, disse o capitão Marcos Palumbo, porta-voz dos Bombeiros.

De acordo com ele, cães farejadores estão ajudando nas buscas. Os bombeiros não confirmam o número de desaparecidos. Os bombeiros chegaram a confirmar a morte de uma pessoa que estava sendo resgatada no momento do desabamento, mas segundo o capitão, um “milagre” pode acontecer.

“Os escombros estão em alta temperatura, estamos resfriando. Os cães estão fazendo buscas tentado localizar vítimas. Não vamos usar máquinas para remoção dos escombros para não atingir possíveis sobreviventes”, disse. //Agência Brasil

 



Deixe seu Comentário