29 de outubro de 2013 às 15:23

PM registra sexto acidente na Urbis V

Fotos: Gabriel Oliveira

Fotos: Gabriel Oliveira

Aconteceu, na manhã desta terça-feira (29), mais um atropelamento na Av. Amazonas, via principal do bairro Urbis V. Desta vez, Nailza Nunes Santos, 52, foi atropelada por uma motocicleta Honda 150cc, guiada por Edimar Santos, 35, ambos moradores do bairro. Quando a reportagem do blog da Bia Oliveira chegou ao local, Nailza já estava sendo atendida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), e Edimar estava sendo encaminhado ao Distrito Integrado de Segurança Pública (DISEP), para registro de boletim de ocorrência e demais providências, já que ele não possui habilitação.

Já é o sexto acidente registrado no bairro

Já é o sexto acidente registrado no bairro

Vale ressaltar que este é o sexto acidente registrado no mesmo local, e um deles culminou na morte de Maria Renilda Lopes da Silva, 69. Os moradores do bairro já realizaram diversas manifestações acerca desta problemática. No local, uma faixa de pedestres colocada há mais de um ano já está apagada, e não há qualquer sinalização no local, além de que muitos veículos ficam estacionados na avenida, de forma que atrapalha o fluxo intenso daquela via.

Em entrevista, a aproximadamente duas semanas, à nossa reportagem, acerca do já referido acidente que culminou em uma morte, o secretário municipal de mobilidade urbana de Vitória da Conquista, Luis Alberto Sellmann disse: “a prefeitura e a administração discorda de que o acidente ocorreu por falta de sinalização. Na verdade o que aconteceu lá e o que vem ocorrendo na cidade, é que com a pavimentação de algumas avenidas, o tráfego naturalmente passa a acontecer de forma mais rápida, com a velocidade maior. A prefeitura tem realizado em quase todas as obras de pavimentação, a implantação de faixas elevadas de pedestres. Essas faixas são possíveis, mas, na realidade, não precisaríamos elevar, porque faixas bastam ser pintadas no nível da rua, essa é a regra, é isso que o código de trânsito prevê, mas temos feito elas mais elevadas entendendo que, com a elevação, cresce esse índice de paradas e de obediência dos condutores. É preciso que nós entendamos que não podemos permitir que a prefeitura seja culpada por mortes no trânsito. É importante dizer que a morte ocorre justamente por uma falta de atenção do pedestre ao atravessar a rua, ou por uma negligência ou inobservância da velocidade compatível pelos motoristas. Então, se tivéssemos que colocar lombadas ou saliências em todos os pontos e em todas as quadras da cidade, haveria um decréscimo de qualidade muito grande do nosso tráfego. A prefeitura vai estar estudando e analisando o que pode ser feito naquele ponto”.  



Deixe seu Comentário