24 de maio de 2019 às 18:31

Nono óbito por influenza é confirmado em Salvador

Neste ano foram confirmados 37 casos de influenza em Salvador, sendo 16 para os subtipos H1N1 e H3N2, e 5 para influenza B

Foi confirmada na manhã desta sexta-feira, 24, a nona morte causada por complicações em decorrência da influenza em Salvador. Um morador do bairro de Brotas, de 69 anos, foi acometido pelo vírus H1N1 e não resistiu. O idoso fazia parte do grupo de risco e não chegou a ser vacinado.

Ao todo foram registrados nove óbitos, sete deles foram em maio. Neste ano foram confirmados 37 casos de influenza em Salvador, sendo 16 para os subtipos H1N1 e H3N2, e 5 para influenza B.

A campanha de vacinação contra gripe encerra na próxima sexta-feira, 31. Até o momento, 150 mil pessoas que compõem o público alvo precisam se proteger. O movimento iniciou no dia 10 de abril e somente 517 mil indivíduos que fazem parte da população elegível receberam a dose da vacina em Salvador. Este número corresponde a 73%, sendo que a meta é imunizar pelo menos 90% do público.

“A Secretaria Municipal da Saúde tem empenhado todos os esforços para que os residentes do município se protejam contra o vírus da influenza. Durante a campanha a gestão promoveu dois Dias D, disponibilizando as doses nos sábados e em locais de grande circulação de pessoas para oportunizar o imunobiológico para quem não pode comparecer aos postos na semana. Estamos na reta final e convocamos todas as pessoas dos grupos de risco a procurarem um ponto de vacinação o quanto antes. A vacinação continua sendo a forma mais eficaz para proteger os indivíduos com maior vulnerabilidade em contrair o agravo e evoluir para complicações graves”, alertou a subcoordenadora de Doenças Imunopreveníveis, Doiane Lemos.

Público-alvo

Em Salvador estão disponíveis 128 salas de vacinas. O público-alvo é composto por crianças (a partir de 6 meses até menores de 6 anos), idosos (a partir de 60 anos), gestantes, mulheres em pós-parto de 45 dias, trabalhadores da saúde, portadores de doenças crônicas, professores e militares.

Os portadores de comorbidades devem apresentar prescrição médica da vacina ou relatório da doença. Os demais grupos devem apresentar documento que atestem fazer parte dos grupos prioritários como crachá, carteira de trabalho ou contra cheque, por exemplo.

A influenza

Entre os sintomas estão início súbito de febre, dor de cabeça, dores musculares, e nas articulações, mal-estar, dor de garganta e coriza. A tosse pode ocorrer entre duas ou mais semanas, a febre dura de três a cinco dias.

“Ao perceber esses sinais é importante procurar a unidade médica, principalmente se apresentar dificuldade respiratória”, pontuou Doiane. //A Tarde



Deixe seu Comentário