25 de maio de 2018 às 0:48

Greve dos caminhoneiros afeta abastecimento de combustíveis, alimentos e gás de cozinha no interior da Bahia

Caminhoneiros protestam contra o aumento do diesel (Foto Reprodução: Agência Brasil)

Com o protesto de caminhoneiros, que chegou ao quarto dia nesta quinta-feira (24), algumas cidades do interior da Bahia enfrentam escassez de combustíveis, gás de cozinha e de alimentos.

Em muitos municípios, a manhã desta quinta-feira teve postos lotados e muita fila. Em Salvador, estabelecimentos que comercializam combustíveis também ficaram lotados nesta quinta, causando lentidão em algumas das vias da capital baiana, como Avenidas Paralela e Bonocô.

Em Barreiras, no oeste baiano, a maior parte dos postos da cidade já está sem combustíveis. Teve motorista que aguardou cerca de três horas na fila para abastecer o veículo. Em um dos postos, a gasolina acabou nesta quinta-feira e só um bomba funcionava fornecendo etanol e diesel. Quando ainda tinha gasolina em Barreiras, o litro era vendido por R$ 6.

A cidade de Itabuna, no sul da Bahia, também passa por escassez de combustível, o que zerou o estoque de alguns postos.

Já em Juazeiro, no norte do estado, o problema maior não é combustível, e sim gás de cozinha. Isso porque as distribuidoras do produto informaram que só têm estoque de botijões até sexta-feira (24). Com relação à gasolina, os postos da cidade ainda não apresentam escassez e o preço da gasolina, que varia de R$ 4,95 e R$ 4,99, não teve alteração.

Outra situação que ocorre em Juazeiro é a falta de alimentos. O Centro de Abastecimento da cidade, que recebe entre 200 e 250 caminhões por dia, segundo a direção do Mercado Produtor, estava vazio nesta quinta-feira. Houve uma queda de 90% na entrega de produtos, só nesta quinta. Além disso, os produtos estavam mais caros. A saca da batata de 50 kg, por exemplo, que custava R$ 120 estava saindo por R$ 170.

Em Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, também houve queda no recebimento de produtos no Centro de Abastecimento da cidade. O valor da saca de batata chegou a subir 120%. Com relação ao combustível, o município também apresenta escassez na maior parte dos postos. Antes mesmo do fim do estoque, a gasolina que custava entre R$ 4,63 e R$ 4,69 saltou para R$5,50. O gás de cozinha também está escasso e o preço está muito salgado, em alguns lugares é revendido por valores que variam entre R$ 85,00 e R$ 100. //G1



Deixe seu Comentário