12 de setembro de 2019 às 4:27

Casos de dengue aumentam quase 600% no Brasil em 2019, aponta Ministério da Saúde

O mosquito Aedes aegypt é o responsável pela transmissão de doenças como dengue, febre amarela, zika e chicungunha. Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo

Dados do boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira pelo Ministério da Saúde apontam o aumento de 599,5% no número de casos prováveis de dengue em 2019, em comparação ao mesmo período do ano anterior. Durante as 34 semanas analisadas — de 30 de dezembro de 2018 e 24 de agosto deste ano — foram notificados 1.439.471 casos de dengue, contra 205.791 infecções registradas no mesmo período do ano anterior. A incidência média de dengue no Brasil é de 690,4 casos para cada 100 mil habitantes. Em 2018, a taxa era de 98,7.

Minas Gerais é o estado com o maior incidência da doença, com 2.239,3, seguido por Goiás, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. O estado mineiro também apresenta o maior número absoluto de casos no país, com 471.165 pessoas infectadas.

Em comparação com o ano passado, São Paulo apresentou um aumento de 3.712% nas notificações de dengue, ao registrar 437.047 contra os 11.465 casos em 2018. Já o Rio de Janeiro apresentou um crescimento de 140,2% nos casos, passando de 13.176 para 31.648, o menor aumento da região Sudeste. Em contrapartida, Amapá e Amazonas registraram queda nos casos prováveis de dengue em relação ao ano passado: 76,8% e 29,5% menos notificações, respectivamente.

Para Denise Valle, bióloga do Laboratório de Biologia Molecular de Flavivírus, da Fiocruz, há duas hipóteses que podem justificar o aumento tão expressivo dos casos de dengue no país: a circulação de um subtipo que não aparecia há mais de dez anos e a queda na prevenção.

— Grande parte dos casos de dengue deste ano foram causados pelo subtipo 2 da doença, que não circulava em escala nacional desde 2008. Quando somos infectados pela dengue, adquirimos imunidade permanente para aquele subtipo e imunidade temporária para os demais. Com a volta de um subtipo que não era visto há muito tempo e a baixa nos casos de dengue em 2017 e 2018, o número de pessoas suscetíveis à doença aumentou — explica a especialista, que completa: — Em 2016, tivemos muitos casos de zika e as consequências da doença (como a microcefalia em bebês de mães infectadas) geraram uma grande comoção nacional no combate do Aedes aegypti, que refletiu na queda da dengue nos últimos dois anos. O relaxamento na prevenção é outra hipótese para a explosão de casos.

A

té 24 de agosto, foram confirmadas 591 mortes em decorrência da dengue e outras 486 ainda estão em investigação. São Paulo é o estado que registra o maior número de mortes confirmadas (217) e Minas Gerais é o que tem mais óbitos em investigação (117). O boletim epidemiólogo aponta que a letalidade foi maior nas pessoas com idade a partir de 60 anos, faixa etária que representa 29,6 % das mortes. No grupo de pacientes com faixa etária de 80 anos ou mais, a taxa foi de 0,83%.

Chicungunha e Zika também aumentaram

Os dados do novo documento mostram que os casos prováveis de chicungunha e zika cresceram 44,2% e 47,1% respectivamente, em relação ao ano passado. Enquanto os casos de chicungunha pularam de 76.742 para 110.627, os de zika passaram de 6.669 para 9.813. Todas as três doenças são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

O Rio de Janeiro tem a maior incidência de chicungunha do país, com 447,4 casos para cada 100 mil habitantes, seguido pelo Rio Grande do Norte, com 255,8. Até a semana 34, foram registradas 57 mortes pela doença no país, sendo 47 no Rio de Janeiro. Outras 65 mortes estão em investigação, sendo 28 (43,1 %) no estado do Rio Grande do Norte e 22 (33,8%) em Pernambuco. A incidência nacional da infecção é de 53,1.

Para os casos de zika, o boletim epidemiológico apresenta dados até a semana 33. Dentre os estados com maior incidência estão Tocantins (32,3), Rio Grande do Norte (27), Alagoas (18) e Espírito Santo (15,7). Em 2019, foram registrados 1.649 casos prováveis de Zika em gestantes, sendo 447 casos confirmados. O Rio de Janeiro é o estado onde ocorreu a maior infecção de grávidas 192, o que representa 42,95% dos casos. Duas pessoas morreram em decorrência da zika, ambas no estado da Paraíba.

//extra



Deixe seu Comentário