22 de setembro de 2016 às 20:05

Anticoncepcional pode ocasionar trombose, diz pesquisas

Os contraceptivos orais combinados estão associados a um risco aumentado de tromboembolismo venoso

Os contraceptivos orais combinados estão associados a um risco aumentado de tromboembolismo venoso

A pílula anticoncepcional começou a ser usada da década de 60 e permitiu às mulheres o controle sobre a sexualidade e o planejamento familiar. Esse método é hoje um dos mais populares e utilizados no mundo todo, por sua praticidade e confiabilidade.

Apesar da contracepção segura, as pílulas têm grandes efeitos sobre o corpo da mulher e podem afetar a sua saúde, por isso é muito importante avaliar riscos e benefícios.

Com o passar dos anos e o avanço científico esse medicamento evoluiu levando à redução nos efeitos colaterais e mesmo trazendo benefícios estéticos. O progresso mais marcante foi a combinação de hormônios estrogênio e progesterona (chamada de pílula combinada). Entretanto, essa composição também aumentou os riscos associados à trombose.

Trombofilias

Pessoas que apresentam trombofilias possuem uma maior tendência à formação de coágulos sanguíneos, obstruindo vasos e artérias, afetando membros inferiores, coração, pulmão e cérebro, levando até mesmo à morte.

A trombofilia pode ocorrer por mutações ou deficiências na produção nos fatores de coagulação e pode ser hereditária ou adquirida.  Nas trombofilias hereditárias o desenvolvimento da doença está associado a fatores genéticos. Nos casos das trombofilias adquiridas, o tabagismo, a obesidade, a hipertensão, o diabetes e o uso de anticoncepcionais orais são os principais fatores de risco.

Anticoncepcionais Orais

Os contraceptivos orais combinados estão associados a um risco aumentado de tromboembolismo venoso, principalmente em mulheres com trombofilia hereditária.

A Anvisa publicou recentemente uma recomendação sobre o uso desse tipo de medicamento e a importância de se realizar uma investigação para saber a predisposição genética ao desenvolvimento de trombofilias.

Fatores de coagulação associados ao risco de trombofilia:Gene V de Leiden; Gene da Protrombina (fator II);Gene MTHFR C677T;Gene MTHFR A1298C.

Qualquer mulher que apresente essa mutação tem de 7 a 8 vezes mais riscos de ter trombose venosa profunda.  Se faz o uso de anticoncepcionais com hormônio combinado, este risco aumenta em 30 vezes. Estima-se que 1 a cada 10 mulheres apresentam essas mutações, sendo que se possuir mutação em dois genes ao mesmo tempo, e ainda fizer o uso de anticoncepcionais, o risco de um AVC isquêmico é 149 vezes maior do que a população em geral.

Antes de iniciar o uso de qualquer contraceptivo oral é muito importante realizar todos os exames necessários, efetuando uma investigação minuciosa sobre os fatores genéticos e hábitos da mulher, indicando assim o melhor anticoncepcional sem prejuízos à saúde.

Gestação

O sucesso gestacional também depende de uma adequada circulação uteroplacentária. Anormalidades nesta rede vascular estão relacionadas com restrições no crescimento intrauterino, pré-eclâmpsia, partos prematuros e abortos recorrentes.

Predisposição genética

O diagnóstico molecular irá avaliar a presença ou ausência das mutações nesses genes. Para o diagnóstico basta uma amostra de sangue, saliva ou swab. Hoje, os planos de saúde já cobrem este procedimento e vários laboratórios realizam o teste.

Com base no resultado, o médico poderá avaliar qual será o contraceptivo mais indicado.

 

 



Um cometário

  • Monique disse:

    Depois de tantos casos de trombose com pílulas, estou com medo de continuar usando… Estou pensando em começar a usar injeção. Bia, você tem alguma informação sobre o Cyclofemina? Queria saber se engorda muito, tenho medo de engordar demais. Tentei achar na bula que encontrei nesse site http://cyclofemina.com.br/ mas queria mais detalhes…

Deixe seu Comentário